Créditos

Direcção,Organização,Redacção: Álvaro Lobato de Faria

sábado, 20 de dezembro de 2008

Álvaro Lobato de Faria || entrevista







A Cultural Institution Dedicated to Promoting Contemporary Art in Portugal and Beyondby EVA DEFESES















Álvaro Lobato de Faria is the founder and the coordinating director of MAC - Movement for Contemporary Art in Portugal. He is a profesor, a gallerist, an art critic and an acclaimed lecturer.


Lisbon, Portugal - 14 Years' Ago

A University Mathematics Professor with a taste for Fine Arts had the dream of creating a unique institution of artistic and cultural exchange: an art gallery, a movement, a place of gathering for artists, a school for the younger ones, a house of Portuguese Culture, a vibrant institution based on passion and action, meant to shake off the nostalgic drowsiness that still reigns over the land of the Fado. The name was chosen: The Movement for Contemporary Art. Like his fellow Portuguese conquistadors of the golden times of the Portuguese Discoveries, Álvaro Manuel Lobato de Faria Gomes (born on Nov. 30, 1943 in Castelo Branco, Portugal), set on the quest of discovering new artistic horizons and on raising higher than the blue skies of Lisbon the red and green of the Lusitanian flag. Lisbon, Portugal - Nowadays Spain, Finland, France, Brazil, Colombia, Germany, Belgium, United States, Italy, Argentina, Cape Green, Guinea-Bissau... far-away countries, different cultures united in so many artistic events, cultural activities, exchanges...a dynamic force that is today, after 14 years, MAC. On the day that the Movement for Contemporary Art celebrated 14 years of activity, Niram Art Magazine talked to the founder, Mr. Álvaro Lobato de Faria about MAC's spreading out beyond Portuguese soil and to the 2 newest members of his team, Mrs. Joana Paiva Gomes and the sculptress Andreia Perreira. Mr. Álvaro Lobato de Faria, MAC has become known in Portugal as a cultural institution dedicated to promoting Portuguese arts in Portugal and in Portuguese-speaking countries. What are MAC's main objectives outside Portugal? Mr. Álvaro Lobato de Faria: I say many times that painters are like writers, they paint written images. Therefore, as a Portuguese I believe it is my duty to give support to Portuguese artists and to expand our art and our culture in the Portuguese-speaking countries. In partnership with The Society of the Portuguese Language we have undertaken many activities uniting the speaking word to the painted image, writers and artists, in all those countries where they speak Portuguese or where Portuguese is taught in the Universities. Outside this Portuguese-speaking territory, we collaborate with cultural institutions in Denmark, Finland, Belgium, France, New Zeeland, United States, where I have been often invited to give lectures in universities and cultural institutions. Of course, our main preference are the Portuguese-speaking countries, we have had many events and collaborations with all of them, especially Brazil. As a dynamic artistic space MAC is also dedicating to discovering and promoting young talents and is involved in many pedagogical activities. Mr. Álvaro Lobato de Faria: Yes, we are, but unfortunately I find that there is a great lack of interest in the young students of Fine Arts in Portugal. I am always on the look for new talents and I speak to the people of the Faculty of Fine Arts often on this subject but the answer is the same: there is no enthusiasm, no interest. For instance, the sculptor Joao Duarte, a man of great initiatives, has tried to put together several activities within the Faculty but the students are not interested in anything. The Portuguese society is in a very negative phase right now.This year, MAC counts with the help of two new members, Mrs. Joana Paiva Gomes has been appointed vice-president, following in her father's footsteps with pride. What are the projects that you are involved in within Mac and what does MAC mean for you? Mrs. Joana Paiva Gomes: I have practically grown up within MAC, I have been involved in its activities since my teenage years but I have become an actual part of the team last year. I am not specialized in Fine Arts but the close contact with my father's activities has sprouted within me the taste for arts and an artistic awareness. As I have pedagogical studies, the main objective of my work here is to turn more dynamic the pedagogical area of MAC, in order to develop the artistic sensibility in young people, to elaborate new strategies and to establish new contacts with cultural institutions in order to collaborate on the divulgation of arts and culture.A young sculptress, Andreia Perreira, is MAC´s newest collaborator, bringing in all her flair and enthusiasm. Mrs. Andreia Perreira, what is it that has drawn you to MAC? Mrs. Andreia Perreira: As a student at the Faculty of Fine Arts in Lisbon, I started working at MAC as part of the academic curriculum and my initial duties were attending the public, helping to organize some events. However, Mr. Alvaro de Faria has gradually given me more autonomy and now I am engaged in all sorts of activities, mainly organization of events. I was talking to Mr. Álvaro Lobato de Faria about MAC's objective of expanding within the Portuguese-speaking countries... Mrs. Andreia Perreira: Yes, indeed, this is the main objective of MAC. You see, MAC is much more than a commercial space, it is a cultural space determined to promote Portuguese well-established artists and to continuously search and offer support to new talents, to help promoting their art in the Portuguese-speaking countries and also to promote artists from the Portuguese-speaking countries in Portugal. Also, it constantly fights for the internationalization of arts. You mean by collaborations and divulgation of artists in other countries? Mrs. Andreia Perreira: Yes, of course, as I said, internationalization is one of the main objectives of MAC. We have ongoing projects in United States, New Zeeland and we are developing relations with European partners as well. Let's say the world is our limit. What can we expect from MAC next year? Mrs. Andreia Perreira: Well, we have some surprises in store for you but it is too early to reveal them. Basically, we are planning a more diverse agenda. As we have 2 locations we have decided to dedicate one of them to more traditional artistic activities and to make the second one more dynamic, to make room for "alternative" artistic ways of expression. Madrid, August 2008 "The world is our limit" said Mrs. Andreia Perreira and I can`t seem to get her words out of my head. Somehow I feel that in the city of the seven hills, looking down on the flowing of the blue river Tagus into the Ocean, in Europe's most Western point, gazing in the strong light of the endless Portuguese sky, these words have probably been said before. And in times gone by, there must have been these words that gave the strength to the sailors of the caravels when they departed in search of the unknown. Heroes of the sea, adventurers of the impossible, dreamers of the undreamable... I have found out that your immortal heart still beats in Lisbon...






Based on the interviews taken in Lisbon, in July 2008 by Alex D.
News

Latest issue of Niram Art Magazine
08-12-2008
MAC Christmas Collective Exhibition in Lisbon
02-12-2008
Opening: 2 December, 2008

Copyright (c)2008 DEFESES FINE ARTS PR AGENCY - MADRID

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

VISITA DE ESTUDO PARA CONTACTOS DO MAC-ARTE CONTEMPORÂNEA INTERNACIONAL A PARIS



O MAC, nas pessoas de Dr.Álvaro Lobato de Faria,
director coordenador do MAC-Movimento Arte Contemporânea,

Dr.Álvaro Lobato de Faria e Dr. Luís Costa


Dra. Joana Paiva Gomes e Dr. Álvaro Lobato de Faria


Dra.Joana Paiva Gomes, directora adjunta e Dr. Luís Costa, director para as Relações Internacionais, que constituem a equipa do MAC INTERNACIONAL,

no âmbito da sua expansão, deslocaram-se a Paris numa viagem de estudo e prospecção, no intuito de estabelecerem novas parcerias com instituições públicas e privadas daquela cidade.


Álvaro Lobato de Faria na Fundação Calouste Gulbenkian em Paris

Tiveram oportunidade de ser recebidos na Fundação Calouste Gulbenkian, para o desenvolvimento de planos de novos projectos, tendo-lhes sido solicitada, com grande interesse toda a documentação possível acerca do Espaço Cultural MAC,no intuito de melhor dar a conhecera obra dos artistas portugueses que trabalham em estreita relação com o MAC e que muito valorizam o panorama das artes plásticas do nosso País.

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Apresentação da Exposição de Manuela Pinheiro


Foi inaugurada no dia 13 de Novembro,
na Galeria Municipal Artur Bual,
uma importante exposição da Pintora Manuela Pinheiro.
Esta mostra foi apresentada pelo
Dr. Álvaro Lobato de Faria, director coordenador do MAC-Movimento Arte Contemporânea,
e pelo Dr. José-Luís Ferreira, ensaísta e crítico de arte.
Dr. José-Luis Ferreira

Eduardo Nascimento,director da Galeria Municipal Artur Bual
Dr.Álvaro Lobato de Faria ,Pintora Manuela Pinheiro,
Dr.José-Luís Ferreira
e o vereador do Pelouro da Cultura da C.M.Amadora.


terça-feira, 28 de outubro de 2008

Visita de Kate de Rothschild ao MAC

Dr. Luís Costa, Mary Teixeira da Motta,Kate de Rothschild e Dr. Álvaro Lobato de Faria
No âmbito das parcerias estabelecidas, o MAC-Movimento Arte Contemporânea foi anfitrião de um dos parceiros priveligiados na internacionalização do MAC, Kate de Rothschild que se fez acompanhar de Mary Teixeira da Motta.
Fizeram parte da equipa de recepção de tão ilustres visitantes o Dr.Álvaro Lobato de Faria, director ccordenador do MAC e o Dr. Luís Costa ,novo International Art Director do MAC.
Dr. Álvaro Lobato de Faria oferecendo a Kate de Rothschild
uma medalha da autoria do Esc.João Duarte

Dr. Álvaro Lobato de Faria oferecendo a Kate de Rothschild
um livro sobre Medalhística Contemporânea

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Novas exposições:António Inverno e Tereza Trigalhos

Álvaro Lobato de Faria vai mostrar no MAC
os artistas plásticos :



António Inverno e Tereza Trigalhos.



As duas mostras inauguram no proximo dia 4 de Novembro,terça feira, pelas 19 horas.

A exposição individual de
Tereza Trigalhos
terá lugar no Espaço MAC /Av. Álvares Cabral,58/60 em Lisboa.

"Proscritos"


A mostra estará patente ao público até 28 de Novembro de 2008,
de segunda a sexta das 13h às 20 h
sábado,das 15h às 19h
domingo, por marcação Tm 96 267 05 32

A exposição de António Inverno

estará patente no

Espaço MAC/Rua do Sol ao Rato 9C,em Lisboa

"Sala dos Poetas"
A mostra estará patente patente ao público até 28 de Novembro de 2008,
de segunda a sexta das 13h às 20h,
sábado das 15h às 19h,
domingo,por marcação Tm 96 267 05 32


mais informação em www.movartecontemporanea.blogspot.com

sábado, 11 de outubro de 2008

Formas outras da língua portuguesa

Apresentação da PNET
As Crónicas,as Artes Plásticas e a InternetNa mesa de apresentação da PNET ,
numa organização da PNET online e Byblos Amoreiras,
iniciando um
"Ciclo de diálogos
sobre as novas formas de comunicação baseadas na Internet",
estiveram presentes, como conferencistas
Álvaro Lobato de Faria, director coordenador do MAC
Pintora Manuela Pinheiro,
Maria do Céu Brojo e Manuel S. Fonseca.
O evento teve lugar na Byblos Amoreiras,Lisboa,tendo estado presentes, além de vasta audiência,e ,em representação do MAC, os artistas, Mestre Hilário Teixeira Lopes,Pintora Teresa Mendonça, Pintora Graciete Rosa Rosa, Escultor João Duarte, e ainda Joana Paiva Gomes, directora adjunta do MAC, Luís Costa e a Escultura Andreia Pereira, assistente da direcção do MAC.

Álvaro Lobato de Faria, Pintora Manuela Pinheiro e Maria do Céu Brojo

Álvaro Lobato de Faria proferindo a sua intervenção

Para correctamente abordar o tema proposto, tería que me reportar a uma época relativamente concisa ou, separadamente, a épocas ou patamares de entendimento de Arte e Cultura, de Língua e Cultura, de Língua Portuguesa e Arte, uma vez que a expressão do conhecimento não pode esgotar-se ou ficar estática numa única forma de linguagem, tendo em conta que cada linguagem traduz, modos próprios de raciocínio.
Contudo, pelas limitações de tempo a que esta prelecção está sujeita, procurei abordar de forma concisa os pontos mais relevantes que vos pretendo transmitir.

A disseminação cultural a nível internacional é um factor determinante para a afirmação de uma língua, no entanto, até hoje, nunca Portugal teve capacidade de penetração cultural no estrangeiro de forma relevante a não ser em áreas específicas, mas minoritárias, como a Música, a Literatura e as Artes Plásticas.

As inúmeras modificações nas formas e possibilidades de utilização das Artes Plásticas enquanto linguagem, são testemunhos incontestáveis das mudanças sociais, culturais, políticas e tecnológicas que atravessaram o Mundo, e de modo particularmente acelerado nos últimos 30 anos, quando os equipamentos informáticos e as novas tecnologias de comunicação passaram a fazer parte de forma mais intensa da vida quotidiana.
Não que as Artes Plásticas contribuam por si e em si para a divulgação da Língua Portuguesa; antes, a divulgação das artes plásticas contribuirá para uma maior divulgação e entendimento da cultura portuguesa e consequentemente, como é óbvio, da Língua Portuguesa.
O património histórico, natural, arquitectónico e artístico, os costumes e a cultura, são as formas outras da Língua Portuguesa capazes de despoletar a curiosidade de quem as frui.

E de facto, só o conhecimento da nossa cultura pode potenciar o interesse pela nossa Língua, na medida em que tudo o que chama a atenção para Portugal aumenta o interesse pela Língua Portuguesa: ninguém lê Fernando Pessoa por gostar de Português mas poder-se-á aprender Português para melhor ler Fernando Pessoa, sem os condicionalismos das traduções.

Mas não se pode exportar uma língua, tentando convencer os receptores das vantagens que o seu conhecimento acarreta. É inútil.

Mesmo sendo meritórios os esforços nesse sentido, mais inútil se torna na actual sociedade de informação em que o impacto das novas tecnologias já mostrou ter a força e poder suficientes não só para construir mas também para devastar.
A globalização e os seus métodos, têm-nos conduzido a uma enorme confusão de valores e conceitos que levam os artistas a modelos e formas de pensamento alternativo que os conduzam a uma sustentabilidade do mundo, face a uma globalização indiferenciada e a um sistema de vida cultural, económico e ambiental que se vem mostrando pouco consistente.
Apesar dos pesares, move-me a convicção de que a Internet é hoje uma espécie de protótipo de novas formas de comportamento comunicativo que, quando bem aproveitada, se pode tornar um meio eficaz de disseminação cultural.

O facto de reunir num só meio diversas formas de expressão, tais como o texto, o som e a imagem, a par da rapidez da veiculação e da flexibilidade linguística, confere à tecnologia multimédia actual um lugar de destaque na nossa cultura.
Regra geral, podemos dizer que a Internet disponibilizou uma outra forma de experimentação ao nível das Artes Plásticas, bem como uma outra forma de chegar ao espectador-visitante e isto parece-me válido para todas as formas de arte ligadas ao plano das artes visuais, quer seja a pintura, a escultura, a ilustração, a fotografia ou o cinema.
Neste sentido, para além das Artes Plásticas, poucas serão as formas para melhor compreender e experimentar a diversidade e o que a Humanidade tem em comum, induzindo não só a uma consciência cultural colectiva mas também a um crescimento pessoal individualizado.

E se no caso da Literatura não é possível estabelecer qualquer tipo de comunicação efectiva sem um código vigente comum ao emissor e ao receptor, no que às Artes Plásticas diz respeito este código de entendimento mútuo é bastante mais abrangente, funcionando ao nível das emoções enquanto transmissores de mensagem.

Compreendidas pela sua potencialidade de criar novas formas de construção de sentidos, capazes de despertar o interesse para a Língua e Cultura Portuguesas, as Artes Plásticas poderão converter-se num novo alfabetismo comum a emissores e receptores, pela pura necessidade de uma comunicação eficaz através de um canal de comunicação global – a Internet – que se vem tornando fundamental para compreender a cultura das sociedades actuais

Desta forma, embora não possa nunca substituir-se ao prazer da fruição física e matérica de uma obra-de-arte ou de um objecto estético, parece-me essencial que a Internet continue a evoluir no sentido de potencializar e sensibilizar as sociedades e culturas actuais a irem ao encontro físico e intelectual da linguagem universal que nos transmitem as Artes Plásticas.

A Internet proporciona um forte complemento a qualquer pessoa e em qualquer lugar do mundo, pela oportunidade de participar numa rede de comunicação onde pode expandir o seu conhecimento e curiosidade sem necessidade de partilha de um código linguístico específico.

A convergência destes dois desenvolvimentos - um novo “alfabeto” imagético e a sua disseminação global enquanto linguagem universal - permitirà às Artes Plásticas a conquista da permanência na vida quotidiana, motivo pelo qual é cada vez mais premente a inclusão da prática artística nos programas educacionais não apenas para aqueles que pretendem seguir a via artística mas igualmente para todos os outros que, não utilizando a arte como forma de vida, irão ter de interpretá-la e interagir com ela de um modo que simplesmenste não existia hà 10 anos atrás.

Mas dadas estas vantagens, permitam-me recordar dois pontos importantes: em primeiro lugar, e como referi anteriormente, ainda que a multimédia possa actuar como tecnologia auxiliar de democratização da Arte enquanto linguagem universal, não pode nunca substituir a experiência sensorial que se desenrola na presença física de uma obra-de-arte.
Daqui concluímos que, embora a rede Internet seja de facto uma fonte de conhecimento, não poderá fazer chegar ao internauta/fruidor a forma exterior da criação artística, no que respeita fundamentalmente à pintura e escultura (sublinhe-se os sentidos, a dimensão, a cor, a textura, o cheiro, o feeling in loco que uma obra transmite).
Assim, com o contacto único com a Internet teremos apenas uma realidade virtual que serve de facto os fins de mercado, mas não a fruição total da obra de arte, podendo-se criar um equivocado estatuto da Arte.
Em segundo lugar, devemos sempre preocupar-nos com o destino das palavras, património de valor incalculável num mundo em que som e imagem surgem cada vez mais de forma aleatória e sem controlo.
Evidente se torna que o que pode ser verdade para a linguagem das artes plásticas, o não é para as linguagens escritas, descritivas, ficcionais ou poéticas, pois que a criação literária, a sua formalização e organização de conteúdos em nada se altera na sua dimensão estética quando divulgada on-line.
Explorar e dominar as várias formas de linguagem é fundamental para identificar as diversas linguagens formais e informais que existem, decidindo quando o texto ou a imagem se nos oferecem como melhor veículo para lograr a comunicação.

Numa altura em que a taxa de analfabetismo atinge um quinto da população mundial adulta, deseja-se cada vez mais que o cidadão do futuro seja completamente alfabetizado passando essa alfabetização também pela Arte.

Para que isso suceda, as Artes Plásticas, entre outras, devem ser consideradas enquanto matéria básica de formação tal como a leitura, a escrita e a matemática.

Desenvolver capacidades de desenho e destrezas de alfabetização gráfica que permitam encarar as imagens enquanto canais de comunicação, é uma necessidade premente no sistema de educação nacional.

Adaptável às diversas mudanças comportamentais da sociedade, a criação artística enquanto linguagem cognitiva que se baseia na percepção e conceptualização do Mundo, é das faculdades mais flexíveis e plásticas de todas quantas são geradas pela criatividade humana.

Desta forma, quanto mais cedo compreendermos que as formas, linhas e cores comunicam ideias e informações, mais depressa a Arte se converterá num veículo fundamental para compreender a cultura dos povos.
Face ás novas tecnologias, é de frisar que mesmo sendo de manipulação acessível às populações, exigem estruturas de conhecimento básicas anteriores, sem as quais não é nítido que se chegue a qualquer resultado positivo.
Atendendo ao que foi dito, coloco algumas questões/reflexões como a da identidade de uma cultura portuguesa e quais os seus modos de integração neste mundo global que agora habitamos?
Em que estádio de entendimento das coisas e do mundo nos encontramos actualmente?
Que herança cultural tem o nosso povo que permita o acesso fácil a níveis de conhecimento minimamente exigidos e exigíveis?
Haverá, de facto uma verdadeira cultura portuguesa, solidamente estruturada, passível de não ser submersa por esta globalização e “massificação” ainda mal digerida?
Ou estaremos todos a contribuir para a total subalternização do que resta da cultura portuguesa entrosada já, e bem, com todas as influências que se têm gerado ao longo dos séculos?
Atentemos que não estou a fazer qualquer apologia de um nacionalismo doentio.
Antes questionemos o que defendemos e porquê.

Álvaro Lobato de Faria

Lisboa,9 de Outubro de 2008

______________________

De: Ana Tristany

Enviada: quarta-feira, 15 de Outubro de 2008 21:56

Assunto: Intervenção Byblos

Olá
Gostei muito de ler a sua intervenção e tive muita pena de não ter estado presente pois estive a dar aulas até às 19h.
Num país em que, para a grande maioria, o expoente máximo da cultura é feito de telenovelas e futebol é absolutamente necessário que os poucos que sabem que há muito mais, acreditem que podem e devem ser motores de desenvolvimento cultural.
Muitos parabéns.
Ana Tristany

terça-feira, 7 de outubro de 2008

Parceria com o Colégio Militar


Janela de Inverno III - Ana Tristany


Ao abrigo da parceria estabelecida com o
Colégio Militar,
o MAC - Movimento Arte Contemporânea

inaugura no próximo dia 8 de Novembro,Sábado, pelas 16 horas ,
a exposição individual de Pintura de
ANA TRISTANY
"À chuva , ao sol e ao vento"
que se realiza no
Pavilhão do Auditório do Colégio Militar,
ao Largo da Luz,em Lisboa
A exposição estará patente ao público,
das 14h às 19h
até 15 de Novembro de 2008

Ana Tristany
texto de apresentação
Dentro das diversas categorias passíveis de situar a pintura de Ana Tristany, poderíamos falar de expressionismo abstracto, pintura matérica, gestualismo, action painting ou dripping, entre tantas outras correntes que alcançaram o seu carácter específico quer pelas técnicas quer pelas soluções espaciais que apresentaram dentro do denominador comum que é a Arte Informal.Ao restringir o seu trabalho a uma destas noções corre-se o risco de uma qualificação imprópria, insuficiente ou de mau uso dos conceitos, podendo essa relação entre o conceito e a obra atingir um grau elevado de contradições.Não me centro na técnica, centro-me na pintora. Quer se trate de arte abstracta ou de arte não figurativa, o trabalho de Ana Tristany está para além do âmbito das discussões em torno da abstração, situando-se numa categoria muito mais vasta que é a de “obra aberta”, postulada por Humberto Eco em 1962, altura em que na Europa se assitia à proliferação de objectos de arte cujas formas indeterminadas convidavam o fruidor a participar activamente na sua construção e concretização.Diante do trabalho de Tristany estamos perante um conjunto de pinturas em que as expressões, as manchas ou os signos aos quais a artista não atribuiu intenção, são passíveis de adquirir múltiplas e novas possibilidades de leitura, desafiando o observador a dotá-las de significado, tornando-se este processo numa ferramenta fundamental para a “conclusão” das composições.O seu trabalho torna-se assim, uma forma de investigação que realiza em parceria com quem observa, uma elaboração mental entre produtor e fruidor que não se sabe até onde vai nem de onde parte.à rapidez de execução postulada pelos informalistas como valor primordial, Tristany opõe uma pintura de duração que, ao invés da obsessão subjectivista daqueles, procura uma objectivação do processo – dripping – longe de se entregar meramente à repetição de gestos, rasgos e manchas desconexos, mas antes procurando dotá-los de continuidade orgânica, convertendo aparências informais em formas globais e enriquecidas estruturalmente.O termo dripping, de uma forma geral, reflecte um conjunto de manifestações diversas, muitas vezes anárquicas, caracterizadas tanto pela liberdade na escolha de materias e suportes como pela liberdade na criação de obras sem que nelas intrevenha qualquer organização voluntária, ordem ou esquema pré-estabelecidos, daí resultando um denso emaranhado linear e pontilhista, por vezes caótico, prevalecendo a matéria disposta mais ou menos ao acaso.No entanto, em contacto com a obra de Ana Tristany percebemos desde o início que trabalha em plena posse dos recursos técnicos e plásticos e, sobretudo, que os une à sua enorme intensidade intimista e tremendamente poética.Mais do que um conjunto de relações entre diferentes cores, a sua pintura é um veículo para expressar emoções, uma mescla entre cor e matéria onde podemos sentir o movimento do braço e do pulso, numa energia gestual espontânea onde a tinta é jogada, espirrando, gotejando e manchando as superfícies, habitando-as de efeitos visuais potenciadores de significados.Distanciando-se do gestualismo de carácter visceral, destaca a “abolição” da forma bidimensional na composição, substituindo-a por zonas de matéria pictórica muito elaboradas que chegam a criar verdadeiros relevos, numa busca incessante pela matéria que, no fundo, está na base da sua formação enquanto escultora.Transversal ao seu percurso, a ideia de que o ensino artístico perturba a carreira de um artista plástico não cabe na definição do trabalho que Ana Tristany tem desenvolvido ao longo dos anos com os seus alunos, nomeadamente no Colégio Militar.Dinamizadora de inúmeros projectos pedagógicos de vertente artística, o desenvolvimento do trabalho plástico em contacto directo com os seus alunos, privilegiando a pintura e a escultura enquanto caminhos para a indagação e experimentação, tem-lhe possibilitado abrir caminhos de inovação pedagógica promissores.A sua curiosidade e rigor intelectual, bem como a preocupação em fundamentar a acção pedagógica devidamente articulada com as estruturas directivas do Colégio Militar, têm sido os estímulos que a levam a percorrer estes territórios de pesquisa e reflexão plástica enquanto complemento das capacidades intelectuais e físicas dos alunos, contribuindo decisivamente para o despertar de sentidos que, por vezes, são alheios aos educadores.O trabalho desenvolvido por Tristany é um trabalho de acção, quer na vertente artística quer na vertente pedagógica, que se traduz não num simples jogo de extravagância formal e cromática, mas enquanto ferramenta de ensino que sistematicamente utiliza de forma planeada e ampla, numa espontaneidade que busca a expressão directa da imaginação.

Álvaro Lobato de Faria

___________________________________

O MAC visitado pelos alunos do Colégio Militar numa iniciativa de Ana Tristany

Numa iniciativa de âmbito pedagógico registamos a visita às exposições de Mestre Figueiredo Sobral e de Albino Moura, promovidas pela Professora Ana Tristany e pelos seus alunos .
Todas estas iniciativas são de louvar pois correspondem a um culto de divulgação da cultura e da arte.
Assim,como temos divulgado estamos sempre abertos a iniciativas como esta, que se torna exemplar a nivel pedagógico e cultural.

Prof.Ana Tristany com os alunos


Álvaro Lobato de Faria com os alunos do Colégio Militar

terça-feira, 23 de setembro de 2008

Homenagem a Figueiredo Sobral

Homenagem a
Mestre Figueiredo Sobral
Na verdade, Mestre Figueiredo Sobral é um buscador incessante de materiais e de formas a fim de dar sentido ao seu universo estético como suporte do discurso moderno.Quer utilizando a sua técnica dos relevos, cultivada desde os anos 60, em massa esculpidas num compromisso entre a pintura e a escultura de inspiração surrealizante ou de um realismo fantástico, ou quer expressando-se nas linhas simples de cores suaves das suas oníricas aguarelas ou materializando o pastel na criação esfíngica da boneca, no seu eterno feminino, ou nas visões cósmicas, Mestre Figueiredo Sobral configura a sua obra de grande qualidade no rigor e procura do surpreendente e do imprevisível.O mesmo labor e criatividade se projectam na escultura que merece um lugar à parte na sua obra e na história da escultura portuguesa.Com larga actividade em Portugal e no Brasil e noutros trabalhos monumentais, em lugares públicos espalhados pelo mundo, aplaudido pela melhor crítica, é tempo que Mestre Figueiredo Sobral ganhe o lugar universal que lhe compete.O Movimento Arte Contemporânea (MAC) é o espaço cultural que neste momento, muito se orgulha em o ter presente, com a sua excelente exposição individual "A Pintura e a Escrita”.
Álvaro Lobato de Faria
Director coordenador do MAC
___________________A Pintura e a Escrita
«A pintura e a escrita» é o título escolhido para esta exposição de pintura de Figueiredo Sobral, no MAC - Movimento Arte Contemporânea, cumprindo um seu velho sonho de aliar a poesia e os seus escritores de cabeceira à sua arte pictórica e escultórica.Deste modo, nestes 37 quadros povoam ecos de Eça de Queirós , em figuras representativas de uma sociedade de final do século XIX, onde a paixão, o vício e a ociosidade se entrelaçam em obras como A Relíquia, O Crime do Padre Amaro e Os Maias , cujo peso é bem sentido por aqueles que se intitularam a si próprios «Os Vencidos da Vida».Mas ainda dessa época , o pintor é fascinado por Camilo , na ironia da Queda dum Anjo e, por essa personagem de Calisto Elói, o político provinciano, que vai deixando cair as suas asas brancas à medida da sua ascensão, tal como diria Almeida Garrett no belo poema , com o mesmo nome, que é aqui pintado a espátula e a escárneo.É igualmente tocado pelo lado romântico de Camilo, em Amor de Perdição, nesse trio trágico-amoroso de Simão-Teresa-Mariana ou pela poesia de Flores sem Fruto de Garrett ou dos Sonetos de Bocage.Mas é Antero de Quental , o seu companheiro das noites insones, atormentado entre a fé e a descrença num Deus que sonhou e que é corporizado em quadros como «Ignoto Deo», «Na Mão de Deus», «O Crucificado» e «Mater Dolorosa» ou nesse poema contundente e desesperado de Alberto Lacerda, «Deus é uma blasfémia», que o pintor intitula «Carregando a terrível pedra de Sísifo ….Ehh, humanidade!!».No sentido crítico, mesmo no âmbito do sagrado, estão as suas preocupações sociais que são desmitificadas através da ironia, plasmada em tinta e pincel e ilustrada com poemas de Alexandre O’Neill ou de Manuel Bandeira. Num libelo contra a guerra erguem-se as vozes do poeta medieval João Zorro, ou de Fiama Hasse Pais Brandão.O seu próprio lirismo de pintor-poeta é assumido em poemas como «A morte de Manolete» e «Histórias com gritos de sevilhanas», encarnando a História Ibérica e ecos de Guernica. Portugal e os seus mitos, D.Sebastião e Marquês de Pombal, ressurgem nas suas telas e na voz de Camões ou na sageza histórica de Latino Coelho. ´A dimensão filosófica de Umberto Eco ou de João Rui de Sousa é captada na subtileza do relevo e da subversão da forma e da cor.Erguem-se, num cântico de amor, D. Quixote e Dulcineia, celebrando o sonho e a aventura dos eternos amantes. A beleza da mulher e a sua nudez visualizam-se na beleza cristalina da poesia de Camilo Pessanha ou de Adalberto Alves. Natália Correia e Florbela Espanca sugerem o mistério do amor, corporizado pelo pintor na sua forma surrealizante e barroca de se exprimir.E, finalmente, numa homenagem à mulher palestina e ao seu povo, Figueiredo Sobral dá vida ao poema de Mahmoud Darwish, (poeta palestino): «Juro!/ Que hei-de fazer um lenço de pestanas/ onde gravarei poemas aos teus olhos»É esta a mostra que o Mestre nos tem para oferecer, numa fase difícil da sua vida, em que cada vez mais interioriza a sua visão do mundo, isolando-se para se encontrar a sós com a sua arte, num diálogo que só ele entende, como dádiva miraculosa e perene que os deuses lhe ofertaram.
Elsa Rodrigues dos Santos
Lisboa, 9 de Março de 2005

****************************************************

Meu caro ÁLVARO Lobato Faria,

…tudo farei – apesar das limitações estranguladoras do meu “tempo disponível” - para estar presente, pelo menos, nesse evento (culturalmente tão importante!) que será a homenagem ao José Maria FIGUEIREDO SOBRAL, a quem – para além da sua representatividade exemplar na (ir)realidade do universo riquíssimo das Artes Plásticas Portuguesas - …me liga uma fraterna amizade, consagrada ao longo de 49 anos …e ½ (entre a convivialidade permanente e a distância física, porém de imperecível comunhão mundivivencial) !!!

Peço-lhe que tente passar esta mensagem à Elsa (cujo contacto e-mail da Sociedade de Língua Portuguesa me parece ter “desaparecido”) …

…e receba o meu afectuoso reconhecimento, acrescido do louvor que o seu mérito, particularmente, me merece, pela persistência, decidida e valiosa, com que, infatigavelmente, tem lutado, pela reabilitação das “formas da fala” onde a memória cultural da nossa Portugalidade se afirmam …em nome do tempo, do espaço e, do Amor.

Aceite o abraço amigo do

José-Luis Ferreira

terça-feira, 16 de setembro de 2008

Parceria com Niram Art


No âmbito da parceria estabelecida entre o MAC-Movimento Arte Contemporânea e a Niram Art Magazine inaugurou hoje,16 de Setembro de 2008,pelas 19 horas no MAC, Rua do Sol ao Rato 9C em Lisboa, a exposição de Romeo Niram Brancusi:E=mc2, fundador daquela publicação
A mostra está patente na Rua do Sol ao Rato 9C em Lisboa e encerra a 30 de Setembro.

“Romeo Niram, pintor de reconhecido mérito, com personalidade fortemente expressiva, de uma espontaneidade à flor da pele, e de um virtuosismo incontestável, habituou-nos a ser, entre figurativo e abstracto, uma testemunha sensível da nossa época. O que Romeo Niram nos propõe através das suas pinturas, são ideias, pensamentos e conceitos plenos de paixão e energia, contundentes na sua construção e morfologia, uma forma de renovação da Arte através de uma obra responsável levada com directrizes dirigidas a deveres artísticos.”
Álvaro Lobato de Faria
Director coodenador do MAC-Movimento Arte Contemporânea
___________________
A mostra estará patente com o horário seguinte:
segunda a sexta das 13h às 20h.
sábado das 15h às 19h
domingo por marcação tm 962670532
_____________
À Niram Art Magazine foram atribuídos pelo MAC-Movimento Arte Contemporânea o MAC'2007 IMPRENSA e o MAC'2008 DISTINÇÃO pelo mérito cultural na divulgação da arte promovida por aquela publicação.
******
______________Mensagens_______________
Álvaro Que seria das "trovas" sem "o vento que passa"?! Pedi ao poeta o conceito imagético e manipulei o sentido. Sim, que seria das "trovas"? Arrecadadas, muito certamente. Primeiro ordenadamente arrumadas no lugar previlegiado do sótão, depois progressivamente amontoadas, relegadas para o canto esconso: poeira, sujidade, degradação. Perdem brilho e cor, opacidade e transparência. Perdem o sentido que pretendiam. Esquecidas antes de lembradas: aviltante modo do (não) existir. Por tantas "trovas" que coloca no "vento que passa", pelas minhas lhe agradeço e por todas o felicito.
Porfírio Alves Pires/por email
__________________________________________________

quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Reabertura na nova época


Álvaro Lobato de Faria,director coordenador do MAC
Joana Paiva Gomes,directora adjunta do MAC
_____________

Convido-vos de novo a visitar,

a partir do dia 1 de Setembro,

das 13 às 20 horas, nos dois espaços MAC,

com novas obras,

a colectiva comemorativa do 14º Aniversário.

Rua do Sol ao Rato 9C

Av.Álvares Cabral 58/60

Estaremos a vossa espera!

sábado, 2 de agosto de 2008

Imprensa romena_Niram Art Magazine on line


video


Conferência dedicada a

"CONSTANTIN BRANCUSI ,vida e obra"

por Álvaro Lobato de Faria,

noticiada em Niram Art Magazine

quinta-feira, 24 de julho de 2008

Testemunhos

nota: foram retiradas duas mensagens desta lista a pedido do autor das mesmas.
_______________________
Madrid, 26 de Julho 2008

Exmos. Srs. Álvaro Lobato de Faria e Zeferino Silva,

Há já alguns anos que os nossos caminhos coincidiram, encontrando na prestigiosa instituição que é o MAC, um lugar único onde a efervescência artística se conjuga com a energia e força de vontade necessária para poder levar ao cabo tantos projectos. Mais que uma simples galeria de arte, o MAC soube convertir-se num centro cultural e artístico de todo o mundo lusófono.
É com grande prazer que podemos, como revista internacional, levar ainda mais longe o eco das suas actividades, dando a conhecer e tomando como exemplo para o nosso público espanhol, a essência do MAC. Ainda não se perdeu o tempo das antigas tertúlias culturais, dos convívios entre artistas e os amantes da arte, como a celebração-festa do aniversário o confirmou. Agradecemos a distinção oferecida, um gesto simbólico que tanto nos comoveu, e não podemos deixar de apreciar a atenção dada a todos os detalhes, a sensibilidade e a beleza das estátuas-troféu (da autoria do grande mestre João Duarte ) e das distinções oferecidas.
Gostaríamos de vos felicitar uma vez mais pelo seu 14º aniversário, o que significam 14 anos de infatigávéis esforços, de inúmeros projectos e parcerias. Conhecendo bem o mundo das artes portuguesas, só podemos realçar a abnegação e a luta constante, as vezes contra as marés que o MAC sempre soube ganhar, sendo o seu ganho o ganho das artes portugueses.
Damos também os parabéns à Dra. Joana Paiva Gomes e desejamos que tenha todo o sucesso como responsável pelas relações exteriores. Acreditamos na sua competência e sensibilidade que brilharam neste evento.
Desejando cada vez mais uma maior visibilidade dos talentos portugueses, dos grandes Mestres e artistas emergentes que Portugal tem, no panorama artístico europeu, e alegrando-nos de podermos oferecer aos nossos leitores espanhóis uma incursão no mundo maravilhoso da arte portuguesa contemporânea, estamos sempre abertos a divulgar e promover a qualidade dos eventos artísticos realizados pelo MAC.
Em nome de todos os que formam o colectivo da revista Niram Art juntamo-nos à vossa celebração, que é a festa da arte e da cultura portuguesa.

Niram Art Magazine

Romeo Niram, Fundador
Rares Naghiu Barbulescu, Director
Mario Barangea, Chefe de redacção
Eva Defeses, Redactor
Thomas Abraham, Redactor
Javier de la Fuente, Redactor
Teresa Carvalho, Redactor
Ángeles Rodriguez, Redactor
Lora Haranaciu, Redactor
Sofia D’Addezio, Redactor

Caros Amigos

Com um grande abraço, agradecendo a Vossa simpática carta, vinda de uma Entidade que sabe e conhece o grande esforço e amor ao ofício, para se conseguir transmitir e defender as nossas ARTES e a LINGUA PORTUGUESA, no nosso país e no Mundo.
Obrigado á GRANDE revista cultural NIRAM ART MAGAZINE, á EVA DEFESES e a todos os Vossos demais colaboradores que subscreveram a carta, por nos continuarem a acompanhar e a divulgar tão de perto e testemunhar com conhecimento de causa o nosso trabalho.
A nossa parceria que Vocês têm sabido manter inteligentemente e com grande admiração, tem sido muito profícua para as Artes em geral e um grande reforço para a divulgação das ARTES PORTUGUESAS no mundo.
Continuem com o Vosso entusiasmo e esforço, pois servem de grande exemplo ao que infelizmente não é feito injustamente sobre a divulgação de tão nobre ofício, que são as artes em geral.
Muitos PARABÉNS, bem merecidos e o abraço de agradecimento e muito amigo nosso, do MAC e de todos os artistas e visitantes do MAC que muito os admiram e aplaudem.

Álvaro Lobato de Faria
Director Coordenador do MAC

Zeferino Silva
Director do MAC

Joana Paiva Gomes
Directora Adjunta do MAC

_____________________

Caro Pedro Inácio

Com um abraço, agradecendo esta sua simpática mensagem de uma pessoa que sabe e conhece o grande esforço e amor ao ofício para se conseguir transmitir e defender as nossas ARTES e a LINGUA PORTUGUESA, no nosso país e no Mundo.
Obrigado Dr. Pedro Inácio por nos continuar a acompanhar tão de perto e testemunhar com conhecimento de causa o nosso trabalho.
Álvaro Lobato de Faria
____________________
Caro Alvaro L. Faria
No decurso da minha actividade profissional, tenho constatado o seu empenho e o incremento do MAC, no universo das Artes Plásticas.
Reconhecendo este seu interesse pelo Conhecimento, sobretudo no âmbito artístico nacional, gostaria de felicitar o MAC pelo seu 14ª aniversário, fazendo votos que mais (novos) projectos possam continuar a dignificar essa Casa de Arte e a nossa Cultura.
Felicidades.
Um grande abraço

Pedro Inácio
MUSEU DA ÁGUA DA EPAL
____________________
Dr. Mendes Machado

Com um abraço, agradecendo este excelente testemunho de uma Entidade que sabe e conhece o grande esforço e amor ao ofício para se conseguir transmitir e defender as nossas ARTES e a LINGUA PORTUGUESA, no nosso país e no Mundo.
Obrigado Dr. Mendes Machado por nos ter acompanhado tão de perto desde sempre e testemunhado com conhecimento de causa o nosso trabalho.

Álvaro Lobato de Faria
____________________

Caros amigos do MAC,

Aproveito para agradecer mais uma vez a todo o MAC a surpresa que me fizeram com a atribuição do prémio "Personalidade Cultural 2008". Como referi na altura, "fui totalmente apanhado de surpresa", pois o segredo foi bem guardado!
Chegar à idade adolescente dos catorze anos nas lides da Arte (e muito concretamente das Artes Plásticas) é, por si só, em Portugal, um acto digno de louvor pelas várias dificuldades e obstáculos que se tem que enfrentar no dia-a-dia.
A divulgação de artistas portugueses em "casa" e no estrangeiro (sobretudo daqueles que parecem ter caído, desmerecidamente, no esquecimento - prémio atribuído ao já desaparecido Nelson Dias) e o apoio a artistas africanos têm sido as principais actividades do MAC.
Debruço-me especialmente nesta última, motivado por um comentário publicado no vosso blogue e que questiona a actividade do MAC no que diz respeito à Lusofonia e no apoio à língua portuguesa. Ora, não é só a atribuição do prémio "MAC Pintura 2008" ao Roberto Chichorro que constitui prova desta actividade lusófona. Nos muitos anos de colaboração que me ligam ao MAC, sobretudo no desempenho da minha actividade profissional em África, pude ser testemunha das actividades deste Movimento quer em Cabo Verde quer na Guiné-Bissau, das muitas amizades feitas e do carinho que muitos artistas, estudantes e professores universitários africanos têm pelo MAC. Nenhum deles, certamente, se oporia a este meu testemunho.
Quanto à atribuição do prémio "MAC 2008 Distinção" à revista romena "Niram Art", a divulgação da arte portuguesa que esta revista tem feito junto dos leitores romenos e internacionais, só por si, justifica este novo prémio (segundo noutra categoria).
Não cabe ao MAC substituir-se a entidades estatais que deveriam "seguir" o que se escreve no estrangeiro e os mais importantes "sítios" (eu gosto de lhes chamar "montras electrónicas") promovendo a tradução em língua portuguesa e a utilização da nossa língua no máximo de "montras electrónicas" estrangeiras. Só conheço um Observatório da Língua Portuguesa e até esse foi criado por um professor que não desempenha agora quaisquer funções oficiais para além de leccionar como tantos outros milhares de professores de Português. As repetidas e (até agora) insuperáveis dificuldades do IILP (Instituto Internacional de Língua Portuguesa) só podem confirmar este meu raciocínio.
Um exemplo gritante disto é (para ficarmos só pela Roménia!) o "Observator Cultural" (
www.ObservatorCultural.ro) que apresenta textos traduzidos em línguas como o holandês ou o polaco, mas nada em língua portuguesa.
Não querendo ser um mero advogado do MAC, mas também porque conheço o autor do texto e tivemos já várias e boas conversas em torno da língua e da cultura, não posso deixar de "lavrar" aqui o meu testemunho. O trabalho do MAC ao longo destes 14 anos e o que conheço dele assim o exigem!

Luís M. M. Machado
Ex-Conselheiro Cultural e de Imprensa
______________________

terça-feira, 22 de julho de 2008

"O Tempo e o Saber" *

Em virtude dos inúmeros agradecimentos e comentários que temos vindo a receber em relação ao Aniversário MAC e às posteriores notícias divulgadas pela Imprensa, nacional e estrangeira, agradeço a todas as pessoas e entidades que estiveram presentes e que enviaram mensagens estimulantes e encorajadoras, não falando de cor e levianamente sobre a defesa que o MAC faz das Artes e Língua Portuguesa, bem como dos eventos relacionados.


Este agradecimento estende-se a todos quantos estão ao corrente dos objectivos bem sérios e autênticos do MAC e dos seus colaboradores.
Apreciamos muito todas a críticas, sobretudo as construtivas e inteligentes, não críticas de "fazer por fazer" sem qualquer consistência, pois infelizmente a ignorância ainda abunda.
É por isso com agrado que recebemos tantas opiniões e sugestões que nos dão a força necessária para continuarmos cada vez mais entusiasmados e empenhados em divulgar as Artes Portuguesas no nosso País e no Mundo.

Álvaro Lobato de Faria




* Rocha de Sousa in JL - Jornal de Letras, Artes e Ideias, nº986; Ano XXVIII, 16 a 29 de Julho de 2008; (Dir. José Carlos de Vasconcelos)


"Açoriano Oriental distinguido pelo MAC" in Açores Magazine, nº11524, 13 de Julho de 2008; pp.26,27


“Tenho acompanhado há vários anos a actividade do MAC e o esforço dos seus proprietários e directores artísticos que culminam anualmente com uma festa de confraternização com artistas, amigos e jornalistas. Nessa festa, há sempre a preocupação de premiar os artistas que trabalharam para o MAC, bem como agentes da comunicação social, quer nacionais, quer internacionais que divulgam sistematicamente as artes portuguesas em Portugal e no mundo. Também o MAC tem distinguido figuras da cultura, sobretudo as ligadas ao universo lusófono, pelo apreço que lhe merece a língua portuguesa e as suas culturas. Deste modo, a Sociedade da Língua Portuguesa tem trabalhado em parceria com o Dr. Álvaro Lobato de Faria em congressos e outros eventos realizados em Portugal, Cabo Verde, Guiné e Brasil, em que o tema central foi sempre a língua portuguesa no mundo nas suas várias vertentes. Por isso, neste 14º Aniversário do MAC, foi-nos grato verificar que os seus objectivos continuam os mesmos, a divulgação das artes, englobando a estética da língua, com um promissor projecto de actividades, dentro deste âmbito. No próximo ano de 2009, a Sociedade da Língua Portuguesa vai comemorar o seu 60º Aniversário com uma série de eventos para os quais contamos com o MAC como um dos seus mais prestigiados parceiros.”


Elsa Rodrigues dos Santos
Presidente da Sociedade da Língua Portuguesa


______________

“Caro Amigo, Álvaro Lobato de Faria

É com o maior prazer que me encontro mais uma vez a escrever sobre o fantástico trabalho que o MAC tem realizado em nome da defesa e divulgação da cultura portuguesa. Quero felicitar todos os elementos que incansávelmente colaboram consigo e sob a sua orientação, nesta dificil luta pelos valores supremos de uma cultura tão antiga e unificada como a nossa. Nada mais justo receber todo o tipo de elogios e reconhecimento por um trabalho digno e sério realizado por si. Foi com enorme prazer que li o artigo no jornal de Letras sobre o MAC e os grandes artistas que com ele colaboram, são iniciativas como esta que cada vez mais faz-nos sentir orgulho de sermos portugueses. O seu louvável esforço em defender a arte,a língua portuguesa e a lusofonia, quer nas diversas conferências quer nos mais variados eventos realizados por si tanto no nosso país bem como no estrangeiro só faz sentirmo-nos como portugueses extremamente gratos.A divulgação a nivel das Relações Internacionais Culturais tem sido feita de forma exemplar pelo MAC o qual aproveito para felicitar a nomeação da Dra. Joana Paiva Gomes como responsável por tudo o que diz respeito às relações exteriores e que acredito que o fará com toda a competência que por todos nós é conhecida. Pela qualidade que nos tem presenteado ao longo destes 14 anos, pelo conhecimento imenso que nos tem transmitido só o posso reconhecer como um homem de cultura e de inegável valor que prima pelo rigor, sensatez e lisura em todas as manifestações artísticas, quer na pintura, quer na escultura, quer na joalharia e também na medalhística da qual o MAC foi percursor na sua divulgação num Espaço comercial. A todos e a si em particular um Grande Abraço Amigo”

Alberto Fernandes

Professor Universitário

______________

“Álvaro,

neste 14º aniversário, o MAC confirmou-se como lugar mágico, onde apetece que as "coisas" aconteçam. E acontecem, pela força dinâmica de uma vontade expressa, cada vez mais necessária nestas sociedades de concorrências selvagens em que as vontades não convergem de forma construtiva de modo a que se possa levar a bom termo os projectos culturais e profissionais.É nesta qualidade que se encontra no MAC, o desejo constante de fazer convergir esforços para a realização de todos os projectos propostos, que reside toda a riqueza cultural deste espaço.Como disseste há um ano “divulgar a arte é antes de mais um acto de cultura e uma missão de cidadania” Um beijo sempre amigo”

Maria João Franco

Pintora
_______________

“Caro Dr. Lobato Faria,

Leitor assíduo como sou do JL, Jornal de Letras e Artes, foi com um prazer imenso que li o artigo sobre o Movimento Arte Contemporânea do conceituado crítico e artista que é Rocha de Sousa. Percebo, pelo que sei da vossa incansável actividade artística, o profundo entendimento que este artigo transmite sobre a vossa actividade: A forma preocupadamente pedagógica e dinâmica que consegue, sem pôr nunca de lado todas as vias absolutamente necessárias de divulgação e implantação pondo sempre a tónica na Lusofonia e aqui quero aplaudi-lo pelo facto de ter atribuído o MAC'Personalidade Cultural do Ano ao Dr. Luís Mendes Machado, figura de incontornável relevo nessa mesma área. Felicito-o também pelo eco que encontra sobretudo junto da Niram Art Magazine, que justamente, no meu entender, distinguiu, onde encontrei a maior atenção ao MAC, fazendo publicitar em quatro línguas – português, espanhol, inglês e naturalmente em romeno – toda a vossa actividade, fazendo-a conhecer junto de outras revistas e jornais internacionais. Em nada peca esta divulgação, pois a internacionalização assim o exige… De realçar também o troféu MAC’2008 Imprensa ser atribuído ao mais antigo jornal português “O Açoriano Oriental”, o que muito dignifica a língua portuguesa e o Arquipélago dos Açores, aplaudindo ainda mais o excelente trabalho do MAC – Movimento Arte Contemporânea, por serem absolutamente imparciais, premiando quem melhor soube, por escrito, divulgar as artes plásticas do nosso país. A sua atitude não discriminatória em relação aos artistas, conseguindo uma fraterna complementaridade entre os consagrados e aqueles que por razões várias não alcançaram ainda esse patamar, não enveredando nunca pela "senda da mercadoria importada" é de todo de louvar. Quem não queira ou não possa entendê-lo por fraqueza de espírito, distorcidos conceitos de comunicação, ou, mais grave, por falta de informação, que caia pelo caminho, porque os empreendimentos de louvar, como o seu, encontram sempre, apesar dos obstáculos, esteios e ecos nas gentes de saber que querem que a Cultura a todos chegue, de facto, neste País.”

José Correia
Professor Universitário

______________

“Caro Professor Rocha de Sousa

Começo por lhe agradecer o notável artigo com que nos presenteou, hoje, no Jornal de Letras, o que se torna uma honra para nós vindo de um profissional tão ilustre como é o Professor, e que ao longo dos anos tenho vindo a admirar profundamente. (...) Com muita estima, renovo os meus agradecimentos,”

Álvaro Lobato de Faria


“Caro Lobato Faria,

Fico muito contente por ter, de algum modo, correspondido às vossas expectativas.(...)O meu critério é eclético, também do ponto de vista estético: a arte que o século XX nos legou continua plural, entre diferenças e semelhanças. Tudo o que se faça de qualidade, seja qual for o «género» deve ser, tanto quanto possível, dado a ver.Um grande abraço para si e companheiros”

Rocha de Sousa
Pintor e Crítico de Arte

_______________

“Caro Álvaro,

Um muito obrigado pela fantástica surpresa que me fizeram, pois não estava nada à espera!"

Luís Mendes Machado

Conselheiro Cultural
______________
“Álvaro!


Acabo de receber o cd das fotografias da Rosa Reis. Estão lindas! Uma vez mais muito obrigada pela fantástica noite que nos proporcionou! Um beijinho muito grande,”

Filipa Faria
Cartaz das Artes, TVI
_____________

“Álvaro, Zeferino - amigos!

Eu sei que é tarde, mas lá diz o povo... "mais vale tarde...", não é? Queria por isso, ainda, agradecer a fantástica festa que me proporcionaram. Foi muito bom estímulo, para mim, como sabem, receber este prémio. Mais uma vez... o que me leva a comprometer-me, a esforçar-me por estar à altura de tão importante e prestigiado troféu. E depois toda a festa, o jantar, que boa ideia, que bem que lá se esteve, que bem que se comeu, que bom que foi conhecer a família, a minha mesa era óptima, estar com os artistas, conhecer ao vivo muitos dos mestres de quem falamos ao longo do ano (dos anos, já!), poder privar com eles, ser fotografado com eles, conviver... foi uma festa amiga, sã, bem-disposta, que me encheu as medidas! e depios o gesto simpático do bolo, a lembrança, uma caminhada que partilhamos com tanto gosto! Que esta nossa amizade continue a dar frutos! E acreditem, sou um grande fã também do v/ trabalho, empenho e bom gosto! com um forte abraço”

João Paulo Sacadura
TVI / CARTAZ DAS ARTES
“Meu caro João Paulo

Ficámos muito gratos com a suas sempre amáveis palavras, que nos dão a força necessária para continuar a fazer o trabalho que temos vindo a desenvolver em conjunto.É muito bom saber que o nosso trabalho é reconhecido por um comunicador de prestígio como é o João Paulo. Quanto ao aniversário e toda a festa que o envolveu, o sucesso também se deveu à vossa companhia e excelente disposição. Um abraço amigo e a minha gratidão pelas suas atenções,”

Álvaro Lobato de Faria
________________

“Álvaro,

este 14º aniversário do MAC foi para mim mais uma demonstração da tua grande vontade de levar por diante todos os projectos. Felicito-te pela tua grande força de vencer. Um beijo”

Teresa Mendonça
Pintora
_______________

“Prezado amigo Álvaro

Parabenizo-o pela passagem do 14º aniversário do MAC. Através dos anos, com dedicação ímpar dedicados à galeria, colocou-a no mais alto patamar das artes plásticas, apresentando artistas de extrema sensibilidade. Parabéns pela sua obstinação e respeito aos artistas elevando essa classe à sua real dimensão no mundo fantástico das artes plásticas. Que você continue com muito sucesso se fixando cada vez mais como defensor e divulgador de trabalhos representativos de alta qualidade. Abraços”

Ana Bernacchi
Crítica de Arte
(Rio de Janeiro, Brasil)
___________________

sábado, 12 de julho de 2008

14º Aniversário MAC 2008 _ As Comemorações

14º Aniversário MAC
os prémios, a exposição, a festa



Decorreram, no passado dia 1 de Julho, as comemorações do 14º Aniversário MAC, realizando-se a entrega dos Troféus MAC`2008 aos artistas, comunicação social, instituições e personalidades que mais se distinguiram, na área da realização, promoção e dvulgação cultural, em estreito contacto com o MAC.
O evento contou com a presença de inúmeros artistas, comunicação social e representantes de instituições públicas e privadas, com quem o MAC mantém parcerias. No fundo, GRANDES AMIGOS!
A Festa MAC culminou num Jantar de Gala no espaço Alfama Rio, Doca Jardim do Tabaco, contando com a presença dos premiados MAC`2008, do Júri Mac, dos representantes institucionais e da comunicação social.

(da esq. p/ dir.) Álvaro Lobato de Faria e António Lopes da Silva
a serem entrevistados pela repórter da TVI Reportagem da TVI

(da esq. p. dir) Álvaro Lobato de Faria com Laura Cézanne e Roberto Chichorro


A entrega do Prémio MAC`2008 Pintura a Roberto Chichorro


(da esq. p/ dir.) O escultor João Duarte com Zeferino Silva, Álvaro Lobato de Faria e Joana Paiva Gomes e Álvaro Lobato de Faria cumprimentando o Dr. Paulo Simões, Director do Jornal Açoriano Oriental, Prémio MAC`2008 Imprensa




Zeferino Silva e Álvaro Lobato de Faria


O Prémio MAC`Hilário Teixeira Lopes

Confrontados com a qualidade habitual, surpreendidos com a reviravolta temática e a ironia patente em cada tela, questionámos: o que fazer quando nenhum prémio parece suficiente para reconhecer uma obra e um artista em constante evolução?

O MAC deparou-se com esta dúvida perante a frescura com que o Mestre Hilário Teixeira Lopes nos brindou na sua última exposição, e desta dúvida nasceu o Prémio MAC`2008 Hilário Teixeira Lopes, instituído em reconhecimento ao Homem e à Obra que ao longo dos anos se têm sabido adaptar à evolução e inovação da arte contemporânea, inspirando todos aqueles que no seu profissionalismo e dedicação se revêm, reconhecendo igualmente a dignidade com que age perante colegas de profissão, consagrados e emergentes.

A cada ano que passe, a nossa homenagem ao Mestre far-se-á pela atribuição do Prémio MAC de Pintura - Hilário Teixeira Lopes, distinguindo aqueles que, ao serviço da Pintura, se mostrem inovadores e merecedores de o alcançarem.
Este ano, pelas razões óbvias, foi o Mestre Hilário Teixeira Lopes a dar-nos a honra de lhe entregarmos aquela que consideramos a mais justa distinção, que testemunha a nossa gratidão perante tudo o que nos dá.

Grande comoção na atribuíção do Prémio MAC` Hilário Teixeira Lopes


(da esq. p/ dir.) Mestre Hilário e Bernardete Teixeira Lopes / Roberto a Graça Chichorro

(da esq. p/ dir.) O pintor Roberto Chichorro e a Jornalista Filipa Faria;
Os pintores Albino Moura e Hilário Teixeira Lopes

(da esq. p/ dir.) Zeferino Silva e Álvaro Lobato de Faria depois de apagarem
as 14 velas do MAC, na companhia do sempre presente Mestre Hilário



O Jantar de Gala _ Alfama Rio

(da esq. p/ dir.) Madalena Paiva Gomes, Andreia Pereira, Joana Paiva Gomes e
Luís Miguel Costa / Elsa Rodrigues dos Santos, Presidente da Sociedade da Língua Portuguesa, a pintora Teresa Mendonça, Dina Aguiar e Bé Caetano


Ao jantar, o actor José Wallenstein

(da esq. p/ dir.) O Escultor João Duarte, Mestre Hilário, Álvaro Lobato de Faria e Zeferino Silva / O pintor Roberto Chichorro com João Paulo Sacadura

(da esq. p/ dir.) Os sempre divertidos, Joana Paiva Gomes e Luís Costa com Dina Aguiar / O Director do Instituto Cultural Romeno em Lisboa, Virgil Mihaiu com o pintor Miguel Barros




Parabéns ao MAC e ao "Cartaz das Artes"




A Festa terminou com o cantar de Parabéns pelo 14º Aniversário MAC e pelo 5º Aniversário do programa cultural "Cartaz das Artes" da TVI, reconhecido com o MAC`2008 Programa Cultural de Televisão.



Fotografias cedidas pela fotógrafa Rosa Reis


Veja mais em : www.movartecontemporanea.blogspot.com